Acervos contam histórias

Muitas vezes situações adversas nos obrigam buscar soluções dentro de um espectro de possibilidades que, se não fosse pela situação de urgência, permaneceriam dormentes ainda por algum tempo. Temos ouvido muito afirmações dessa natureza – para o bem e para o mal – ao longo destes meses de COVID-19 que nos obrigaram a reinventar muitas das nossas práticas e atividades. Com os museus de arte e suas programações não foi diferente.


Talvez esta tenha sido a primeira exposição do Museu de Arte Leopoldo Gotuzzo pensada para plataformas digitais. Experiência ainda em construção, um misto de descobertas, tentativas e avaliações que vão ao encontro de uma atividade que já vinha sendo ensaiada pelo museu, que é justamente a revisão de suas coleções e suas possíveis (re)definições.


Apesar do MALG contar com 32 anos, alguns acontecimentos recentes impulsionaram essa atividade: o fato do museu ter mudado para uma sede própria em 2018 – isso lhe confere uma nova identidade – e o fato de sua equipe técnica ter sido incrementada com a presença de profissionais qualificados que sedimentaram as bases para que as comissões e conselho avancem em discussões e pesquisas que visam potencializar e ressemantizar seu acervo.


No momento em que o museu precisou transferir ou cancelar muitas das atividades de sua programação que contavam com a participação de artistas ou instituições externas, dedicamos nossa atenção à exploração do acervo e suas possibilidades, aproveitando diversos formatos de plataformas digitais para a divulgação desse acervo e das inúmeras possibilidades de conexão, leitura e cruzamentos possíveis. Assim, se enquanto “exposição virtual” as propostas do MALG ainda não dialogam com a especificidade dos meios tecnológicos, este tem sido um momento de experimentação compartilhada e divulgação do acervo que se abre como mais uma possibilidade de aproximar o museu da comunidade.


Num museu de arte, cada obra é um ponto de chegada e um ponto de partida: há sempre um longo percurso permeado por trajetórias nem sempre simples para que uma obra chegue até aqui. A vida do artista, sua obra, as exposições, os colecionadores, críticos, curadores, herdeiros, proprietários, comissões e todos os intermediários cumpriram algum papel até a obra chegar ao seu destino-museu. Depois daqui novos percursos: outras exposições, curadorias, expografias, pesquisas, publicações, itinerâncias – a obra assume o papel de produtora de novos conhecimentos e significados. O museu não é um local que apenas guarda obras, mas, ao contrário, expõe, explora e valoriza seu acervo porque muitas vezes apenas o real não nos basta: precisamos ver, rever, compartilhar e descobrir as possibilidades e os conflitos inerentes a nossa condição humana.

Acervos sempre contam histórias.

Pelotas, setembro de 2020

Prof. Dr. Lauer Alves Nunes dos Santos
Diretor do Museu de Arte Leopoldo Gotuzzo
Centro de Artes | Universidade Federal de Pelotas

Confira abaixo as coleções organizadas pelo museu >

Um pouco do começo

Neste período em que o museu permanece fechado para visitação, vamos explorar um pouco de seu acervo, contar e recontar suas histórias – que é justamente a riqueza dessas instituições e suas coleções.

Aqui, então, algumas imagens que indicam possíveis começos. Coleções e acervos que contam histórias! >

A Escola de Belas Artes, Locatelli e a doação de Gotuzzo

“Às 9 ½ de hoje vi desaparecer, na curva da rua, o caminhão da “Varig” que levava tanta cousa da minha vida. É incrível o que pode representar, pensando bem, estes retângulos de telas! Sua Pelotas compreenda e proteja a lembrança do seu filho! Gotuzzo” >

Mais um percurso pela Escola de Belas Artes: a Coleção Faustino Trápaga

A Coleção Faustino Trápaga possui importantes obras do século XIX e início do século XX. Fachadas, obras de arte e acervos que contam histórias. >

Desenhos

Ainda da Escola de Belas Artes, mais uma importante herança: a Coleção João Gomes de Mello. De sua coleção podemos destacar as naturezas mortas e paisagens de artistas da primeira metade do século XX. >

Ciclos: Fins e recomeços

A mais recente coleção do MALG é a Coleção Antônio Caringi, que visa incentivar o conhecimento desse importante artista que possui obras, estudos para conhecidos monumentos e instrumentos de trabalho no acervo do museu. >

As coleções do MALG revelam a transformação do padrão estético, do gosto e das mentalidades em Pelotas ao longo do Século XX

As coleções do MALG revelam a transformação do padrão estético, do gosto e das mentalidades em Pelotas ao longo do Século XX. As primeiras transformações podem ser observadas ainda na Coleção da Escola de Belas Artes. >

A arte do oriente

A Coleção L. C. Vinholes é a mais recente coleção do museu – e a maior de todas, composta por aproximadamente 2 mil itens. É uma coleção que revela o perfil e as escolhas de seu colecionador. >

Coleção Século XXI

Seguindo a mesma lógica da Coleção Século XX, a Coleção Século XXI também foi definida pela data de ingresso das obras no acervo do museu, neste caso a partir do ano 2001 – e principalmente através de doações. >


Ficha Técnica

Reitor da Universidade Federal de Pelotas
Pedro Rodrigues Curi Hallal
Presidente da Rede de Museus da UFPEL
Silvana Bojaoski
Diretora do Centro de Artes
Úrsula Rosa da Silva
Diretor do Museu de Arte Leopoldo Gotuzzo
Lauer Alves Nunes dos Santos
Presidente da SaMALG
Luciana Dias da Costa Vianna

Equipe do Museu de Arte Leopoldo Gotuzzo
Fábio Galli Alves – Conservação e Restauro
Joana Soster Lizott – Museologia
Roberta Trierweiler – Secretaria, Documentação e Pesquisa
Bolsista
Daniel Moura
Design e expografia virtual
Renan Espirito Santo

Bolsista catálogo versão digital
Gianlucca de Mendonça Buzô
Portaria
Fagner da Silva Marques, Luciane Pereira Valente
Higienização
Simone Gonçalves
Segurança
Diones Barros, Gilsemar A. Costa, Natiele Fernanda Mendes Ribeiro, Sabrina Molina Duarte